Apenas o Sintoma do Problema

Jimy Mauricio Piha 2 de abril de 2014 0

Sandy 2

 

No ano passado trabalhei em Nova York. A cidade estava se recuperando do Furacão Sandy, uma tempestade que chegou do Caribe, atravessou toda a costa leste norte-americana e seguiu para o Canada.

Nesta rota estava Nova York, e o prejuízo primário foi de 68 bilhões de dólares.
Os ventos de 200 Km/h, levaram os telhados enquanto as águas inundaram as bases de milhares de construções.

A glamorosa população nova-iorquina parecia estar entendendo que a natureza está reagindo às atividades humanas, às nossas atividades destrutivas.
Por isto, a civilização precisa se preparar para as futuras reações.

Contudo, consertados os graves danos, as medidas foram:

1) erguer barreiras na costa para conter a água;
2) fortificar as estruturas das residências;
4) estocar alimentos, água, baterias e tudo que é essencial para a sobrevivência;
3) assegurar-se monetariamente contra desastres naturais;
4) preparar planos de fuga emergencial.

 

Sinceramente, não sei se é por negação, por aceitação ou por qual estado da psicologia humana.
O fato é que em nenhum momento, durante os meses que passei lá, escutei alguém (na mídia ou em privado) propor fazermos as pazes com a natureza.
Alguém que propusesse parar de poluir, parar de destruir.
Respeitar a vida do planeta não tem sido uma alternativa seriamente abordada para resolver a crise.
Quando a humanidade será capaz de entender o óbvio?

 

No inverno seguinte os ventos mudaram de direção e chegou o novo castigo.
A cidade enfrentou a pior onda de frio já registrada na história.
Durante três semanas seguidas a temperatura baixou, ficou ao redor de 20 graus Celsius negativos.
O vento do Polo Norte congelou a cidade, inclusive as vias fluviais, e no processo queimou a pele dos cidadãos.
O recado é simples, ainda mais simples na gíria local:

“Você pode correr, mas não adianta se esconder”.

 

Desenho de Frits Ahlefeldt-Laurvig

Desenho de Frits Ahlefeldt-Laurvig

 

 

 

 

 

About the author

Jimy Mauricio Piha Jimy Mauricio Piha busca soluções para os extraordinários desafios que a civilização enfrenta para sobreviver num mundo, que por ironia, continua sendo destruído pela própria civilização. Aqui dedica grande atenção aos temas ecológicos, pois é literalmente a luta pela vida. Jimy é o autor do livro: "Minhas Cartas na Sua Mesa" e outros artigos acessíveis no seu website.

Deixe seu comentário