SOSPLANETA LANÇA SOSÁRVORESSP

klester 22 de janeiro de 2015 0

 

sosplaneta-capa-face

 

 

 

 

“Árvore bloqueia rua da Zona Sul de SP” | Foto: Bruno Araujo | G1

SOSPLANETA LANÇA SOSÁRVORESSP

Em favor das árvores de São Paulo a Ong SOSplaneta faz um manifesto que consiste em amarrar um laço negro nas árvores da cidade para chamar a atenção da população para a criminalização que as árvores vêm sofrendo.

Passada a longa estiagem – que nos deixou inseguros em São Paulo, contando as gotas, temendo pelo futuro imediato – sem que aquele problema dê sinais de solução enfrentamos agora um fenômeno inverso, ambos em grande medida fruto de um mesmo fenômeno, o aquecimento global. Tivemos oportunidade de aprofundar esse tema em inúmeros textos publicados, palestras proferidas em Universidades, encontros da ONU sobre o clima etc.

Contudo, o que nos move agora são os últimos acontecimentos meteorológicos de nossa metrópole à deriva e seus desdobramentos. Até porque o que derrubou tantas árvores em SP não é resultado apenas do chamado aquecimento global, mas também do aquecimento em micro escala. Concorre com ele o chamado fenômeno das ilhas de calor, que também influenciam as fortes chuvas localizadas nas porções do espaço urbano mais aquecidos pela exagerada ocupação do solo e falta de ventilação adequada. Estamos correndo contra o relógio, em contagem regressiva para que algo importante seja feito para mudar essa realidade.

Foi assombroso o número de árvores caídas, e gravíssimo que tenha havido vítima fatal, Ricardo Mendes, de 32 anos, ocorrida no ponto mais improvável da cidade. Improvável? Nossas extremas condolências à família. Não obstante, por certo, se fosse na periferia que tivesse ocorrido o sinistro a comoção pública seria menor, bem menor… e haja teoria política para explicar as razões disso.

Já o número avassalador de árvores caídas merece uma explicação oficial. Se, por um lado, a Prefeitura não pode ser responsabilizada por cada uma das 650 mil árvores que vivem nas calçadas e parques da cidade, o descaso, contudo, fica evidente já no número de árvores cadastradas (apenas 7,4%) e na poda equivocada, algo que dispensa a especialidade, bastando-nos ver a inclinação. Sequer a regra óbvia de que galhos projetados para fora do centro do peso do tronco precisam ser eliminados tem sido observada. E agora a culpa dos políticos e dos técnicos que deveriam resolver o problema está recaindo sobre quem não pode se defender: as árvores. Sim, as vilãs da vez têm sido elas, as árvores. No afã de criar o trágico permanente para não baixar sua audiência, a grande mídia tem disseminado indiretamente a ideia de que as árvores e arbúsculos são nossos inimigos e devem ser ceifados, eliminados, privados súbito da vida. Contra esse absurdo, esse verdadeiro crime de lesa-pátria é que nos levantamos.

Primeiramente pela petição de princípio envolvida. Ora, é pela falta de arborização e excesso de asfaltamento que vivemos essa crise aguda a cada verão, propor a retirada indiscriminada só pode ser creditado à sandice e irresponsabilidade de quem faz uma tal proposição. A arborização é resultado de um esforço coletivo, em que o poder público tem sido menor parte, visto que no mais das vezes apenas planta, entregando à iniciativa dos moradores a maioria dos cuidados que a planta requer. Em muitos casos mesmo a implantação é fruto de iniciativas de cunho privado.

De minha parte tive a oportunidade de, há já trinta anos, ter subsidiado e acompanhado o plantio da maioria das árvores da Avenida Braz Leme, no bairro Santana. Para tanto aprendi técnicas de plantio que provavelmente tenham contribuído para que as 2 mil árvores que plantei naquela avenida não tenham sofrido sinistro desde o seu plantio até hoje, inclusive no atual conjunto de tempestades.

É preciso entender que o que acontece hoje é resultado de uma série de equívocos, há décadas. A ocupação inadequada do solo urbano, a crescente impermeabilização do solo, a falta de áreas verdes, a excessiva queima de fósseis, os congestionamentos, a falta de planejamento no setor de recursos hídricos etc.

A ação do SOSplaneta é uma forma de protesto e alerta. O Manifesto SOS Planeta Árvore & Vida (#SOSplaneta, #SOSárvore, #SOSvida), é uma forma de protesto e alerta. Você pode contribuir colocando uma faixa preta numa árvore em frente à sua casa, ajudando assim a denunciar o descaso com a natureza, e ajudando as árvores que, ao fim e ao cabo, estão caindo, inclusive sobre as nossas cabeças. José Manoel Ferreira Gonçalves

Doutor em Engenharia, Jornalista, Advogado e Cientista político

(11) 9 6371-2077 – josemanoel@sosplaneta.com.br

lRua Itacolomi

 

 

 

 

Rua Itacolomi

 

Rua Bahia

 

 

 

 

Rua Bahia

 

Rua Bahia cupim

 

 

 

 

Rua Bahia,  árvore inclinada com cupim visível na raiz.

 

Praça Vilaboin

 

 

 

 

Praça Vilaboin

 

Rua Setgipe

 

 

 

 

Rua Sergipe

 

sergipe com angelica

 

 

 

 

Rua Sergipe com Angélica

 

Pacaembu

 

 

 

 

Rua Pacaembu

 

Alagoas

 

 

 

 

Rua Alagoas

 

About the author

klester

Deixe seu comentário