Empresas em Foco na COP28: O Paradoxo Entre Sustentabilidade e Poluição


Warning: Trying to access array offset on value of type bool in /home/storage/c/4c/c4/sosplaneta1/public_html/wp-content/themes/ecologie/theme-framework/theme-style/function/template-functions.php on line 468
Home / Aquecimento Global / Empresas em Foco na COP28: O Paradoxo Entre Sustentabilidade e Poluição
cop-28
0 4

O Caso Emblemático da Braskem

A Braskem, marcada pela tragédia urbana em Maceió (AL), evidencia uma contradição impactante: enquanto declara comprometimento com a sustentabilidade, suas operações contribuem significativamente para o aquecimento global, desmatamento ilegal, e violações de direitos humanos. Esta incoerência entre discurso e prática culminou na desistência da empresa em participar da COP28, onde abordaria temas como “carbono neutro” e os “impactos da mudança do clima”.

Outras Grandes Corporações no Pavilhão do Brasil

No Pavilhão do Brasil na COP28, outras corporações como Vale, Cargill, JBS, Marfrig, e Norsk Hydro, conhecidas por suas elevadas emissões de carbono, marcaram presença. Embora reconheçam parcialmente os danos ambientais causados por suas atividades, as falhas em seus programas de sustentabilidade levantam suspeitas de greenwashing, uma prática de marketing para disfarçar impactos ambientais prejudiciais.

JBS e Marfrig: Desmatamento e Pecuária Insustentável

JBS e Marfrig, gigantes da proteína animal, enfrentam acusações por desmatamento ilegal e invasões de terras indígenas. A JBS, por exemplo, é responsável por significativas emissões de gases do efeito estufa, com práticas como a criação de gado em áreas de desmatamento na Amazônia. Revelações de irregularidades no abate de animais e a compra de gado de fazendas envolvidas em desmatamento ilegal mancham ainda mais a reputação da empresa.

O Impacto da Cargill e Norsk Hydro na Amazônia

A Cargill, maior comerciante de grãos do mundo, contribui para o desmatamento na Amazônia através da construção de infraestrutura para o transporte de soja e grãos. A expansão de suas atividades intensifica a pressão sobre territórios indígenas e quilombolas, além de aumentar casos de intoxicação por agrotóxicos. A Norsk Hydro, por outro lado, enfrenta acusações de indígenas no Pará por conflitos decorrentes da extração de bauxita, evidenciando impactos ambientais e sociais significativos.

A Vale e as Tragédias de Mariana e Brumadinho

A Vale, notória por envolvimento em graves tragédias socioambientais como os casos de Mariana e Brumadinho, é outro exemplo de desconexão entre sustentabilidade proclamada e realidade. As tragédias que resultaram em perdas humanas e impactos ambientais substanciais destacam a urgência de responsabilidade e transparência nas práticas corporativas.


Conclusão

Há um paradoxo entre a retórica de sustentabilidade e as práticas poluidoras dessas grandes corporações na COP28. Paradoxo esse que evidencia e sublinha a importância de uma fiscalização rigorosa e transparente. O desafio de alinhar os negócios com a verdadeira sustentabilidade ambiental e social continua a ser uma questão crítica no cenário global.


Por José Manoel Ferreira Gonçalves

Linkedin

O conteúdo deste artigo foi fundamentalmente baseado em informações disponíveis no site Brasil de Fato.



Meta Descrição: Explore a contradição entre o discurso de sustentabilidade e as práticas reais de grandes corporações como Braskem, Vale, JBS, Cargill e Norsk Hydro, destacadas na COP28.

Tags: Braskem, Vale, JBS, Cargill, Norsk Hydro, COP28, sustentabilidade, meio ambiente, greenwashing.

Frase de Foco: “Empresas em Foco na COP28”

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Assine a nossa newsletter

Cadastre-se em nossa lista de e-mails para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

Sua inscrição foi realizada com sucesso!